Saiba as últimas novidades do projecto de restauração através da nossa Newsletter

Mabecos (“Wild Dogs”) regressaram ao Parque Nacional da Gorongosa

10 Agosto, 2018

Com apenas cerca de 6.600 Mabecos (Lycaon pictus) existentes em África, este animal incrível é um dos carnívoros em maior risco do continente

Moçambique, África – Com apenas cerca de 6.600 Mabecos (Lycaon pictus) existentes em África, este animal incrível é um dos carnívoros em maior risco do continente, e é listado pela IUCN como “Em perigo”. É necessária uma acção urgente para salvá-los, e uma estratégia de conservação chave é a reintrodução de alcateias em habitats viáveis onde eles ocorreram. A Endangered Wildlife Trust (EWT), campeã da conservação em África, e o Parque Nacional da Gorongosa estão entusiasmados em anunciar uma das  mais excitantes reintroduções de Mabecos, como parte dos seus esforços para salvar esta espécie altamente ameaçada. Os Mabecos voltaram à Gorongosa pela primeira vez desde há décadas. Este evento transfronteiriço histórico teve lugar a 16 de Abril de 2018.

 

 

Fotografia do Endangered Wildlife Trust

 

Num movimento para inverter a tendência decrescente das populações de Mabecos na África Austral, foi estabelecida uma parceria entre o EWT e o Parque Nacional da Gorongosa, a fim de assegurar a reintrodução do primeira alcateia de Mabecos no  Parque.

 

Esta é uma ocasião histórica, uma vez que os Mabecos nunca tinham sido reintroduzidos em qualquer parque, área protegida, reserva de caça ou outra área em Moçambique. Os Mabecos desapareceram de grande parte da sua antiga área em Moçambique, e a Gorongosa perdeu todos os seus Mabecos como resultado da guerra civil de 1977-1992. No entanto, a Gorongosa é hoje a principal área natural de Moçambique e está no coração do trabalho que está a ser realizado pelo Governo de Moçambique e pela Fundação Carr para trazer de volta à vida um vasto e diversificado ecossistema natural ao longo de um período de 25 anos. A vida selvagem agora está a prosperar no Parque, com um grande número de espécies e animais que voltaram em força. Com a abundância de herbívoros, o próximo passo natural era o retorno de grandes carnívoros.

 

Os Mabecos da África do Sul, a meta-população gerida pela EWT formaram a alcateia fundadora para este projecto de recuperação. Esta meta-população, que compreende as várias populações individuais de Mabecos dentro de uma selecção de parques e reservas nacionais com equipas de gestão, actualmente conta com 250 indivíduos em 28 alcateias. Esta população aumentou nos últimos 20 anos e assegurou o aumento da área de Mabecos na África do Sul em 25% e os seus números em 100%, permitindo assim a translocação de um alcateia fundadora para a vizinha Moçambique.

 

 

Os Mabecos, ainda sedados, a serem descarregados do avião, à chegada à Gorongosa

 

Os Mabecos machos da Reserva de uMkhuze em KwaZulu-Natal (KZN) que se dispersaram de forma natural da sua alcateia no final de 2016, e fêmeas selvagens em livre circulação na região foram usadas para esta reintrodução. A EWT, juntamente com os parceiros locais Ezemvelo KZN Wildlife (EKZNW), o departamento veterinário do estado de KZN, WildlifeACT, Maremani Game Reserve, LEDET e os Bateleurs, capturaram as duas alcateias não relacionadas de Mabecos e uniram-nas numa “boma” (compartimento especial para animais), na Phongola Nature Reserve em KZN na África do Sul. Os Mabecos foram sedados antes da partida e a alcateia foi equipada com coleiras de GPS e coleiras de VHF para permitir um monitoramento apertado, uma vez libertados. Todos os indivíduos foram também vacinados contra a cinomose e a raiva caninas antes da partida para Moçambique, uma vez que as doenças infecciosas são uma grande ameaça para os Mabecos. Esta nova alcateia foi transportado da Phongola boma para a Gorongosa pelos Bateleurs, para garantir uma viagem rápida e sem stress.

 

Agora a alcateia está retida na “boma” recém-construída na Gorongosa, onde irá ficar durante seis a oito semanas, antes de ser libertada. Isto é para permitir que os machos e as fêmeas se acostumem entre si e se habituem à área, sendo ao mesmo tempo monitorizados pela equipa de conservação de carnívoros do Projecto da Gorongosa. A EWT trabalhará em estreita colaboração com a equipa da Gorongosa para treinar uma nova geração de veterinários e ecologistas Moçambicanos na recuperação e gestão de Mabecos.

 

 

A equipa da Gorongosa que construiu o recinto (“boma”) onde os Mabecos ficarão sob observação de 6 a 8 semanas

 

O Parque Nacional da Gorongosa tem sido descrito como um dos mais diversos parques da Terra, cobrindo uma vasta extensão de 400.000 hectares. Nos últimos anos, o Projecto da Gorongosa, com o apoio da Administração Nacional de Áreas de Conservação (ANAC) de Moçambique, assegurou a protecção de uma população em recuperação de Leões neste sistema, reduziu com sucesso as principais ameaças e viu o Parque ser reconhecido como um dos "Últimos Lugares Naturais" pela National Geographic. Faz portanto sentido que, ao devolver os Mabecos à Gorongosa, um dos mamíferos mais ameaçados na África Austral, se esteja assim a dar um passo corajoso na restauração da sua área nativa na região.

 

Este trabalho é possível graças aos financiadores da EWT, Richard Bosman e Land Rover Centurion, e aos financiadores do Projecto da Gorongosa, ao Parque Nacional da Gorongosa, à Oak Foundation e ao ZooBoise.

 

Sobre o Endangered Wildlife Trust

A Endangered Wildlife Trust (EWT), campeã de conservação na África, tem trabalhado incansavelmente por mais de 45 anos para salvar a vida selvagem e os habitats, sendo a sua visão um mundo em que humanos e fauna bravia possam prosperar em harmonia  com a natureza. Do pequeno sapo ao majestoso rinoceronte; de pastagens extensas a terras secas áridas; de zonas costeiras a rios sinuosos: a EWT está a trabalhar consigo para proteger o nosso mundo.

A equipa de especialistas no terreno da EWT, está espalhada por toda a África Austral e Oriental, onde acções de conservação comprometida são mais necessárias. Trabalhando com os seus parceiros, incluindo empresas e governos, a EWT está na vanguarda da investigação aplicada, apoiando a conservação e os meios de subsistência das comunidades, treinando e capacitando, abordando o conflito da vida selvagem humana, monitorando espécies ameaçadas e estabelecendo espaços seguros para a expansão da vida selvagem.

 

Qual farol de esperança para a vida selvagem, paisagens e comunidades de África, a EWT estará sempre a protegê-los para sempre, consigo. Saiba mais em www.ewt.org.za

 

Sobre o Parque Nacional da Gorongosa e o Projecto da Gorongosa

O Parque Nacional da Gorongosa é o principal parque nacional de vida selvagem de Moçambique, localizado na extremidade sul do Grande Vale do Rift do Leste Africano. É o lar de alguns dos ecossistemas biologicamente mais ricos e geologicamente mais  diversos do continente africano. As suas fronteiras abrangem as grutas e desfiladeiros do planalto de Cheringoma, as vastas savanas do Vale do Rift, e a preciosa floresta tropical da Serra da Gorongosa.

 

O Projecto da Gorongosa é uma das maiores histórias de restauração da vida selvagem em África. Em 2008, foi estabelecida uma Parceria Público-Privada de 20 anos para a gestão conjunta do PNG entre o Governo de Moçambique e a Fundação Carr (Projecto Gorongosa), uma organização sem fins lucrativos dos EUA. Em 2016, o Governo de Moçambique aprovou a prorrogação, por mais 25 anos, da gestão conjunta.

 

Adoptando um modelo de conservação do século XXI que equilibra as necessidades da vida selvagem e das pessoas, estamos a proteger e a salvar esta bela região natural, devolvendo-a ao seu devido lugar como um dos maiores parques de África.

 

Fotografia do Endangered Wildlife Trust

 

 
Categoria: 
Press Coverage