Está aqui

Ricardo Guta

Ricardo Guta

Técnico de Pesquisa

 

Chamo-me Ricardo José Guta, tenho 23 anos, nasci e cresci em  Moçambique, na província de Sofala, cidade da Beira mas agora resido em Gorongosa. Tenho 8 irmãos, dos quais 5 raparigas e 3 rapazes, e os  meus pais residem na cidade da Beira. Obtive o grau de técnico médio em Agro-pecuária no Instituto Agrário de Chimoio e quando era criança o meu sonho era de fazer investigação científica.

 

Em 2012 fundei o projecto PROTECSA (Projecto de protecção e sanidade animal), com objectivo de prestar assistência técnica aos animais no âmbito do maneio sanitário, alimentar e reprodutivo. Através deste projecto fazia pesquisas de plantas fitoterapêuticas para tratamento e nutrição dos animais e neste âmbito em 2013 fabriquei um desparasitante através da planta Azadirata indica, para controlo de nematóides nos caprinos; feita a comparação com o desparasitante químico os resultados foram positivos. Este projecto tinha como principal grupo alvo as comunidades locais que viam os seus animais morrerem por falta de dinheiro para a compra de medicamentos químicos, bem como para combater a poluição do meio ambiente.

 

Porque o meu sonho não parava por aí continuei a encontrar formas de me enquadrar numa equipe de investigação, até que um dia tive a sorte de ler o jornal Diário de Moçambique e vi a noticia que o Parque Nacional da Gorongosa estava a organizar uma expedição de levantamento da biodiversidade que ia envolver cientistas nacionais e internacionais, bem como iria criar  uma oportunidade de aprendizagem para jovens estudantes interessados a desenvolverem as suas capacidades de investigação. Após contactar o Parque fui enquadrado no departamento científico, como assistente técnico na pesquisa de pequenos mamíferos durante o meu estágio.

 

Actualmente trabalho no Laboratório de Biodiversidade E. O. Wilson como Técnico de Pesquisa da Biodiversidade dos insectos, o meu papel  é ajudar nas actividades de pesquisa e monitoramento nos serviços científicos, com particular ênfase na recolha de amostra das espécies, montagem das amostras  biológicas utilizando métodos adequados, introdução de dados científicos no banco de dados e prestação de assistência aos investigadores convidados e funcionários do Parque.

 

Hoje sinto-me feliz por estar  enquadrado no Departamento de Serviços Científicos, por  ser algo que eu sempre almejei e espero desenvolver bastante as minhas capacidades de investigação no âmbito da biodiversidade e deste modo contribuir positivamente na restauração do Parque, através da implementação de métodos apropriado da conservação da natureza.