Está aqui

Changamire Barreto

Changamire Barreto

Assistente de Educação Ambiental 
Chamo-me Changamire Barreto Zeca, nasci a 4 de Março de 1984 na localidade de Púngue, Distrito de Gorongosa, Sofala-Moçambique. Sou duma família camponesa, embora que não tenha conhecido o meu falecido pai (Zeca Semo), pois perdeu a vida antes do meu nascimento. Tenho quatro irmãos dos quais três são homens e uma é mulher.
Quando criança gostava de jogar a bola e estudar (pedia aos meus amigos para que me chamassem de doutor). Aquando criança pastei o gado caprino do meu irmão mais velhoi.
Frequentei o ensino primário do primeiro grau na escola Primária de Púngue-Gorongosa (1993-1997), o segundo grau na EPC-Eduardo Mondlane actual Escola Secundária Eduardo Mondlane-Gorongosa (1998-1999), frequentei o ensino básico na Escola Secundária Cristo Rei-Gorongosa (2000-2003) enquanto o ensino médio fiz na Escola Secundária do Dondo (2004-2005). De 2007-2010 frequentei e conclui o Bacharelato e Licenciatura em ensino de Filosofia.
No ano 2006, tive que interromper os estudos devido a falta de recursos financeiros, e optei por angariar fundos através de emprego, e trabalhei num projecto de construção denominado CBC, baseado no Chitengo (Parque Nacional da Gorongosa) contratado pelo Projecto de Restauração do Parque.
Como dissera que o meu objectivo era de continuar com os estudos, no ano seguinte tive que rescindir o contrato para dar continuidade com os estudos superiores na Universidade Pedagógica-Beira para concretizar o sonho de ser chamado doutor, conheci vários amigos e colegas que me ajudaram a construir a personalidade. Em 2009 terminei o Bacharelato em ensino de Filosofia enquanto em 2010 concluí a Licenciatura do mesmo curso. Depois de ter concluído pensei em candidatar-me para ingressar no Ministerio da Educação para o ano 2011, mas este plano fracassou devido a escasez de vagas para técnicos superiores.
Em Março de 2011 tomei conhecimento através de um amigo da infância (Tomas Farnela Macorreia), actual meu colega no Centro de Educação Comunitária (CEC), que haveria um concurso através de entrevista para quem tivesse terminado a 10ª Classe para ingressar no CEC do Parque Nacional da Gorongosa para trabalhos de manutenção como: abertura de valas, limpezas etc. Mas aconselhou-me em não concorrer porque comparativamente ao meu nível aquele trabalho seria incompatível. Entretanto, desvalorizei o conselho do meu amigo, primeiro porque eu estava desempregado, segundo pelo respeito que tenho por qualquer trabalho que seja humano e que eu esteja em condicoes de fazer, já que gosto de aprender, terceiro pela explicação que tive era um centro de educação onde as comunidades seriam treinadas para o bem estar do meio ambiente. Aqui coincidia com o meu trabalho didáctico em especial a Filosofia do Ambiente; há quem diga ética ambiental, área pela qual tanto me apaixonei e tive implicitamente a ideia de que eu teria seria um educador ambiental neste centro, sensibilizando os meus amigos, familiares e vizinhos usando a mesma linguagem e por fim seria um orgulho para a minha comunidade ter um quadro superior da comunidade a trabalhar para a sua comunidade.
Portanto, fui à entrevista e tive o resultado de apuramento dois dias depois. Indo a realidade do trabalho: nos primeiros dias realizei as actividades de abertura de valas, ancinhar as picadas, varrer o telhado, lixar a madeira, um mês depois trabalhei como empregado dos quartos que durou  três dias e passei  a fazer o trabalho na cozinha: copeiro e empregado da sala respectivamente. Em Setembro de mesmo ano foram-me adiccionadas várias tarefas tal como: responsável pela Biblioteca do Centro, comprador, fiel do armazém e actividades com as crianças (identificação das espécies florestais e leitura) e controlo de efectividade. Aos poucos foram-me desligadas das actividades da cozinha que duraram mais ou menos dois meses. Em Julho de 2012 prestei uma nova entrevista com o Administrador do Parque Nacional da Gorongosa em prol de uma promoção para a categoria de Assistente da Educação Ambiental e que deu resultados positivos, esta função prevalece até aos dias de hoje, 2014.
Agradeço à direcção do Parque que tem vindo a acreditar nas minhas qualidades testemunhadas pelas promoções e a sua aposta em profissionalizar os jovens das comunidades locais para que futuramente a gestão do Parque esteja em suas mãos. Para além de agradecer também aos meus colegas do sector que se dedicam em me habilitar nesta nova área, a qual tenho o desejo de conhecer profundamente.