Está aqui

Destaques Gorongosa 2018

Mensagem de Pedro Muagura – Administrador do Parque Nacional da Gorongosa
 
Um muito caloroso bom dia para todos vós! Obrigado por lerem o nosso relatório de Destaques de 2018 da Gorongosa que, como verão, reflecte um ano de muitas mudanças. Em primeiro lugar quero congratular Mateus Mutemba, o nosso anterior Administrador do Parque, por ter sido nomeado em Março deste ano como Director Geral da ANAC, a Administração Nacional das Áreas de Conservação em
Maputo. Estou extremamente orgulhoso pela sua nomeação e farei o meu melhor para dar continuidade ao seu excelente trabalho aqui na Gorongosa. Ele deixou-me uma Área Protegida maravilhosa e uma equipa de excelência.
 
O processo de paz nacional, posto em movimento em Dezembro de 2016, promete e as pessoas estão a normalizar as suas vidas. Sabemos que os nossos projectos na Zona Tampão do norte do Parque são pioneiros da estabilização e construção da paz pós-conflito.
 
O nosso projecto do café na Serra da Gorongosa está a correr bem. A Serra foi palco da guerra civil por muitos anos. Não só estão as plantações e viveiros de café novamente em actividade, os nossos pequenos agricultores estão de volta no mapa. Conseguimos efectuar uma primeira colheita este ano. Isto é encorajador, trazendo esperança às comunidades da Serra, muitas das quais foram afectadas pela agitação civil dos anos anteriores.
 
A recuperação da população de fauna bravia do Parque continuou este ano. Um destaque é a bem sucedida reintrodução de um grupo de 14 Mabecos (“Painted Wolves”). Os Mabecos faziam parte do ecossistema da Gorongosa no passado, mas foram extirpados do Parque – por isso é maravilhoso acolher esta bela espécie de volta a ‘casa’. Os nossos turistas e visitantes das Comunidades da Zona Tampão do Parque adoram-nos – e os membros dos Clubes Ecológicos escolheram nomes para todos os 14 à sua chegada.
 
Numa colaboração com as Universidades do Zambeze e Lúrio, Instituto Superior Politécnico de Manica e também numa parceria com a Universidade de Lisboa, Portugal, iniciámos o primeiro programa de Mestrado em Biologia de Conservação em Moçambique com 12 estudantes. Tanto quanto sabemos, é o primeiro Mestrado inteiramente orientado num Parque Nacional a nível mundial. É uma bela inovação para criar futuros líderes da ciência e conservação para Moçambique!
 
Este ano enveredámos por um processo de planeamento estratégico de 15 meses que irá culminar no nosso novo Plano Estratégico de 2020-2050 e num Plano Empresarial de 10 anos. Pretendemos coordenar todos os nossos doadores debaixo de uma mesma alçada estratégica. Estamos a trabalhar de perto com os governos distritais locais e as comunidades para assegurarmos o desenvolvimento de uma visão conjunta e acertar responsabilidades para um caminho de sucesso de conservação e desenvolvimento a longo prazo para todos nós.
 
Sinto-me inspirado pelo progresso alcançado este ano. Esta dinâmica ajuda-me a enfrentar o trabalho árduo e desafios que temos todos os dias. Quero deixar o meu sentido agradecimento aos membros da nossa equipa, nossos parceiros e apoiantes. Sem o vosso contributo este trabalho não seria possível. O meu muito obrigado a todos vós!