Está aqui

Estudo dos Elefantes

Uma das maiores e mais famosas especialistas mundiais sobre elefantes, Joyce Poole, está actualmente a estudar os elefantes da Gorongosa. Ela está a identificar cada indivíduo, com a respectiva idade e sexo, a que grupo familiar pertence e a sua movimentação. Cada elefante é um ser com uma personalidade e temperamento distintos, tal como cada um de nós. Ao conhecer a história individual de cada elefante, esperamos poder tomar decisões mais bem informadas sobre como protegê-los.

 

Nós acompanhámos Joyce no seu trabalho e fizemos-lhe algumas perguntas sobre ele:

 

Como é que segue a pista dos elefantes?  Eu uso todos os meus sentidos e alguma inteligência para encontrar os elefantes. Quando eu saio para procurar elefantes levo em consideração os habitats que eu sei que eles preferem, a distância até à água e onde é que eu os vi antes. Os elefantes têm as suas rotinas tal como nós e muitas vezes seguem um percurso semelhante durante vários dias consecutivos. As famílias têm "áreas domésticas", onde passam a maior parte do seu tempo; os machos têm "áreas de machos" onde eles passam muito tempo durante a parte do ano em que não estão sexualmente activos.

 

Conhecer uma população significa aprender as suas rotinas e os seus lugares favoritos de permanência. Atenção que não estou a falar de pequenas áreas geográficas. Assim que eu chegar a essas áreas o verdadeiro trabalho começa - perscrutar o horizonte, ouvir os seus bramidos ou o estalar de ramos, localizar pistas frescas e até mesmo usando o meu sentido do olfacto. Alguns provavelmente não vão acreditar em mim, mas quando eu estou à procura de elefantes muitas vezes eu tenho a sensação, "de que não há elefantes aqui hoje", o ar à minha volta está simplesmente “vazio de elefantes”, porque carece de uma certa energia. Eu não sou uma crente na para-normalidade e tive de desligar este sentimento para estar em sintonia com os elefantes e aperceber-me, ainda que de forma inconsciente da sua presença, através dos seus bramidos em baixa frequência e do seu cheiro.

 

Como é que identifica cada um dos elefantes? Identificar os elefantes não é difícil, mas requer capacidade de observação e é preciso um pouco de prática. Existem muitas características diferentes que podem ser usadas para identificar um elefante: o seu sexo; a sua dimensão e forma corporal; o comprimento e a configuração das presas; o tamanho e forma das orelhas; os padrões das veias nas orelhas; os entalhes, rasgos, e furos nas orelhas. Entalhes, rasgos e furos na orelha de um elefante, ou a falta deles, são as características mais duráveis, enquanto que as presas são propensas a mudar ao longo do tempo - crescem, quebram-se e voltam a crescer.

 

Em Gorongosa uma elevada percentagem de elefantes não têm presas, o que os torna mais difíceis de distinguir uns dos outros. ElephantVoices desenvolveu oito módulos educacionais explicando os diferentes termos que usamos para identificar os elefantes (como "entalhe em forma de colher" ou "lóbulos enrolando para fora" ou "aba cortada") e como usar essas características para identificar os elefantes.

 

Como é que determina a idade dos elefantes? Os elefantes continuam a crescer em altura e tamanho total do corpo durante a maior parte das suas vidas, tornando mais fácil determinar a sua idade do que a de outras espécies. Determinar a idade requer no entanto muita prática para ser possível fazer boas estimativas. Categorias de tamanho correspondem a faixas etárias aproximadas. As categorias de tamanho que usamos são: “vitelo” (0-4 anos), juvenil (5-9 anos), adulto pequeno (10-19 anos), adulto médio (20-34) e adulto grande (35 e + anos). Até vários meses de idade os elefantes são suficientemente pequenos para passar por debaixo da barriga de uma fêmea adulta muito grande. Entre os 18 meses e os 2 anos de idade as presas são apenas visíveis além do lábio, embora, naturalmente, não entre aqueles elefantes que não têm presas! Aos três anos de idade as presas de um “vitelo” estendem-se cerca de 8 cm além do lábio. Depois disso, o comprimento e espessura das presas são tomados em conjunto com a forma da face do elefante, o seu tamanho de cabeça em relação ao tamanho do corpo, e o tamanho total do corpo do indivíduo são utilizados em conjunto para determinar a idade de um elefante.

 

Algumas regras de ouro: as fêmeas adultas totalmente crescidas atingem apenas metade do peso dos machos adultos totalmente crescidos, tornando mais difícil determinar a idade das fêmeas do que dos machos. Uma vez que as fêmeas tenham atingido sua altura máxima elas parecem crescer em comprimento; as fêmeas, muitas vezes parecem ter costas distendidas e alongadas. Por volta dos 17 anos, os machos são tão grandes como uma grande fêmea adulta, mas têm apenas metade do peso de um macho adulto grande. Aos 35 anos de idade, quando os machos estão apenas a entrar em plena idade reprodutiva (~ 35-55), as suas frontes cresceram de forma significativa e as suas presas tornaram-se mais espessas, dando aos seus rostos uma forma de "ampulheta".