Perder um Dia é Como Perder um Ano

10 Junho, 2013

No meu primeiro “post” eu descrevi a experiência que estou a começar na Gorongosa. Eu pretendo saber se há menos ou menores pequenas lagoas sazonais, ou pequenas lagoas  com diferentes animais que vivem nelas, quando há menos elefantes, búfalos, facoceros e outros mamíferos cavando na lama. Isto é relevante porque os grandes mamíferos declinaram em Gorongosa durante a guerra civil, mas agora estão a recuperar. Como é que as mudanças das populações de mamíferos afectam os habitats e as espécies aquáticas do Parque?

 

Foto: Um “notobranch killifish” de barbatana azul; são peixes de aquário populares, e são indígenas das lagoas sazonais de Moçambique e da África do Sul.

 

Nas três primeiras semanas eu escolhi as lagoas que irei estudar, e hoje comecei a capturar os animais nas lagoas. Foi uma festa de biodiversidade. Na minha terceira colheita de hoje, apanhei o meu alvo mais valioso: a “killifish notobranch” de barbatana azul, Nothobranchius rachovii. Eu andava a ler acerca deste peixe desde Novembro! Ele tem um dos mais curtos períodos de vida de adulto de qualquer dos vertebrados - apenas alguns meses - durante os quais põe os ovos no solo das lagoas. Os ovos necessitam de alguns meses secos, e assim estes peixes só vivem em pontos de água sazonais, como as lagoas da Gorongosa. Os “Notobranch’s” de barbatana azul são peixes de aquário populares, também, não é difícil de ver porquê, dadas as suas cores brilhantes.

 

Foto: Um insecto da água macho e chocador de ovos Diplonychus sp. transportando os seus ovos.

 

A minha diversão não terminou quando encontrei este peixe. Mais tarde apanhei também alguns escorpiões de água enormes (Laccotrephes sp.), Cerca de quatro polegadas da cabeça à cauda. Eles são inofensivos para os seres humanos, mas são predadores vorazes dos girinos! Uma última descoberta interessante, foi a de um insecto da água macho e chocador de ovos (Diplonychus sp.). Eles carregam os ovos à volta deles depois das fêmeas os terem colado no seu dorso! Muito interessante.

 

Foto: Inofensivo para o homem, este escorpião da água tem 4 polegadas e não tem relação com os verdadeiros escorpiões.

 

Como se o dia não tivesse sido suficientemente excitante, no caminho de volta para o acampamento e para o nosso proto-laboratório, demos de caras com uma grande manada de elefantes atravessando a estrada apenas a algumas centenas de metros a norte de Chitengo! Sete elefantes atravessaram a estrada, e estavam mais à espera lá atrás. Quando o  nossa guarda, Batista, deu o seu aval, voltámos para casa.       

 

Foto: O fiscal do Parque, Batista, e o meu assistante de campo, Flávio, com o nosso equipamento de campo, junto a uma das lagoas da Gorongosa.

 

Eu tive bastante ajuda de alguns estudantes universitários que estão a acabar os seus estudos em Chimoio, especialmente o meu assistente de campo, Flavio. Ele hoje disse-me: "Josh, na ciência perder um dia é perder um ano." Eu não sei se isso é sempre verdade, mas hoje com certeza foi. Venha até à Gorongosa e tenha os melhores dias do seu ano!

 

Por Joshua Daskin

PhD Student, Department of Ecology and Evolutionary Biology

Princeton University (EUA)

 

Categoria: 
Diários da Selva