A descoberta mais interessante de 2012

31 Dezembro, 2012

Por Piotr Naskrecki - Bem, o primeiro ano do meu blog está quase no final, mas creio que ainda tenho tempo para mais uma história. E esta é uma das boas.

 

No início deste ano eu estava no espectacular Parque Nacional da Gorongosa em Moçambique, fazendo as minhas coisas habituais - perseguir esperanças com uma rede e um gravador, tirar fotos, e virar pedras. E ao virar uma dessas pedras encontrei algo que realmente testou as dimensões dos meus conhecimentos entomológicos. Uma noite, enquanto procurava formigas e grilos na borda de um profundo desfiladeiro de calcário, levantei uma pedra grande e plana e debaixo dela encontrei uma colónia de térmites. Mas algo não batia certo. Por que é algumas dessas térmites eram tão compridas? E tinham um aspecto tão estranho? Demorei alguns segundos para perceber que a colónia estava cheia de criaturas que se pareciam muito com as térmites, e se comportavam de forma semelhante, mas claramente eram outra coisa.

 

Inicialmente eu não conseguia nem imaginar o que eram essas criaturas. Térmites mutantes, um filo não descrito, alienígenas? Havia centenas delas, praticamente tantas como as térmites verdadeiras. Coloquei uma série delas num recipiente para poder olhá-las com mais atenção. OK, elas não eram alienígenas - tinham mandíbulas e seis pernas curtas. Portanto eram insectos. Mas de que tipo? Não tinha a menor ideia.

 

Mais tarde, examinei-as ao microscópio e vi que tinham umas quase-pernas pregadas no abdómen – portanto deviam ser lagartas - isto é mariposas ou larvas de borboleta. Mas também tinham estranhas formações ao longo de todo o corpo, que pareciam estranhamente semelhantes ao milho-doce. As peculiares lagartas acabaram por revelar ser Paraclystis integer membros da família mariposa-traça (Tineidae). Mas o que é que estavam a fazer na colónia de térmites?

 

Embora estas lagartas e a sua presença nas colónias das térmites do género Schedorhinotermes sejam conhecidos desde o início de 1900, ninguém sabe realmente qual é a natureza da relação entre estes dois grupos de insectos. É tentador especular que as estranhas formações com a forma de milho doce das lagartas produzem algo que as térmites gostam, mas de facto este não é o caso. Elas parecem ser puramente de natureza sensorial e não estão ligadas a quaisquer glândulas. Ainda mais estranhamente, as lagartas parecem ter pouca tolerância para com as térmites, e muitas vezes afastam-nas quando  se aproximam. Às vezes, no entanto, permitem que as térmites lhe venham lamber algo da parte dorsal de seu abdómen. Há uma observação casual feita no final de 1960 (Harris 1968. Proc R. ent Soc. Lond B. 37: 103-113), sugerindo que as larvas acompanham as térmites nas suas viagens de abastecimento durante a noite, mas de que é que exactamente se alimentam é ainda desconhecido.

 

Espero que em 2013 o mistério das lagartas milho-doce e das térmites seja um dos que vou conseguir resolver. E se assim for, vocês serão os primeiros a saber através do blog “The Smaller Majority”. Obrigado pela vossa leitura e Feliz Ano Novo!

 

Leia mais “posts” do Piotr no blog The Smaller Majority

 

Categoria: 
Diários da Selva